Archive for the ‘Concepções e Políticas do Ensino Superior’ Category

Avaliação externa da qualidade da educação. Os casos de Cabo Verde e Portugal

14 de Junho de 2014

Nos modelos de regulação transnacional e supranacional, as políticas de partilha de conhecimento definem não só processos de regulação cognitiva, em que a mudança se impõe pela via conceitual, mas também práticas de avaliação centradas na garantia da qualidade.
Tendo em consideração o modelo pós-burocrático de gestão, que é ao mesmo tempo indutor da centralidade dos resultados e da estandardização do conhecimento, para além da imposição de processos formais de qualidade, os autores analisam, recorrendo a uma revisão crítica de bibliografia internacional, de que modo a avaliação institucional no ensino superior, com reflexos na avaliação das escolas dos ensinos básico e secundário, responde a critérios debandeiras eficiência e eficácia através de práticas formais e informais de monitorização. Por isso, discutimos, nesta comunicação, e no quadro de políticas globalizadas, o processo de acreditação e avaliação no ensino superior, com a exploração, por um lado, das políticas baseadas em standards, e por outro, das práticas avaliativas em curso em Cabo Verde e Portugal.

Texto integral do artigo: Avaliação externa Qualidade Educação CV & PT

Autores: Varela, Bartolomeu & Pacheco, José
In Ferreira, Ana Cristina (org.), Nas pegadas das Reformas Educativas – Conferências do I Colóquio Cabo-verdiano da Educação. Praia: Universidade de Cabo Verde, 2013: 25-37
ISBN: 978-989-8707-03-1

Anúncios

A relevância do trabalho pedagógico no ensino superior. O caso da Universidade de Cabo Verde

8 de Março de 2014

A mudança paradigmática que se propugna no modo de encarar a formação superior na Uni-CV implica que, a par da ênfase no aprimoramento do conhecimento científico, mediante a elevação do grau académico, seja consequentemente valorizada a vertente pedagógica, assumindo-a não apenas como um elemento adicional do perfil do docente do ensino superior, mas como uma exigência inelutável da qualidade da formação, posto que, ao cabo e ao resto, se trata de conceber formas adequadas de lidar com o conhecimento científico, seja na forma como o mesmo é produzido (pela investigação), seja no Paresmodo como esse conhecimento é apreendido e apropriado pelos estudantes, através do processo de ensino-aprendizagem, seja ainda em termos de disseminação do conhecimento (produzido e aprendido) no seio da sociedade, no âmbito da extensão.

Este é o extracto (resumo) do texto de uma comunicação proferida nas I Jornadas Pedagógicas da Universidade de Cabo Verde, realizadas de 22 a 26 de Abril de 203, que aqui se reproduz na íntegra:

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR

Praia, Abril de 2013
Ph.D. Bartolomeu Varela

Tendências internacionais e política do ensino superior em Cabo Verde

28 de Dezembro de 2013

Face às tendências de internacionalização do ensino superior, em que as lógicas de hegemonização e uniformização segundo os ditames da economia e do mercado vêm influenciando crescentemente as políticas estaduais, seja através de formas subtis de legitimação do conhecimento válido, que deve ser produzido e disseminado na academia, seja através dos mecanismos de regulação transnacional e supranacional, mediante a imposição de standards e de procedimentos avaliativos que sobrevalorizam os resultados prescritos em detrimento da análise dos contextos e processos de desenvolvimento das actividades académicas, a política de ensino superior cabo-verdiana, delineada Ensino superior globalizaçaoao nível dos discursos e dos normativos, caracteriza-se por um eclectismo algo paradoxal, posto que, do mesmo passo que evidencia o alinhamento com as referidas tendências, traduz o propósito de promover a cultura, a identidade e as especificidade nacionais, em ordem a assegurar-se o desenvolvimento humano e sustentável do país.
Nesta comunicação, analisa-se em que medida o eclectismo presente nas opções de política de ensino superior cabo-verdiano e de outros países constitui um pretexto e uma oportunidade para a instauração e ou reforço de lógicas contra-hegemónicas e solidárias na abordagem da missão, autonomia e funções das academias.
Assim, defende-se a possibilidade de, a par da internacionalização do ensino superior através deglobaliz solidaria redes colaborativas, as universidades explorarem, até à exaustão, as oportunidades de inovação nas práticas de gestão e realização dos currículos, com a devida tradução das especificidades nacionais, mediante uma abordagem criativa e emancipadora. Trata-se, em suma, de construir e desenvolver, a nível de cada academia e nas relações interuniversitárias, espaços de promoção do conhecimento universal, sem obliterar o potencial de conhecimento novo susceptível de ser gerado a partir das realidades locais, mas antes assumindo, na plenitude, o desafio da tradução do global e do local, enquanto dimensões inseparáveis da natureza da instituição universitária.

OBS: Este é o resumo do texto da comunicação apresentada à 3ª Conferência da FORGES, realizada no Recife, Brasil, de 4 a 6 de Dezembro de 2013. Pode ler a seguir o texto integral:
Tendencias internacionais e politica de ensino superior CV

A Universidade, o currículo e o conhecimento: das origens aos tempos actuais

2 de Junho de 2013

As Edições Uni-universidade1CV, da Universidade de Cabo Verde, fizeram publicar, na colecção “Aula Magna”, nº 2, o meu livro “A Universidade, o currículo e o conhecimento: das origens aos tempos actuais”, que retoma parte da minha tese de doutoramento em Ciências da Educação, concluída em Outubro de 2011 e defendida a 7 de Maio de 2012, na Universidade do Minho.

Eis a versão digital do livro, publicada em Maio de 2013:
a_universidade_o_curriculo_e_o_conhecimento_blv

Praia, 2 de Junho de 2013.

Bartolomeu Varela


%d bloggers like this: